Uma nova forma de se comunicar

Veículos de referência utilizam linguagem mais informal em telejornais e redes sociais.

Aquele telejornalismo tradicional, em que o apresentador fica sentando com uma expressão séria repassando as notícias enquanto olha para a câmera, está em extinção. Atualmente, os principais telejornais são apresentados de uma forma mais dinâmica. O jornalista várias vezes se levanta e transita pelo cenário, interagindo com o público de uma forma mais descontraída.

Além disso, o próprio estilo dos apresentadores mudou. O semblante sisudo foi substituído por pequenas piadas e observações breves, mesmo nos telejornais mais tradicionais. Um exemplo disso é o âncora do Jornal Nacional, William Bonner. O jornalista aderiu ao estilo mais informal, interagindo com seus companheiros no ar. Recentemente, Bonner foi muito criticado ao dizer que um americano tinha “cara de maluco” logo após a exibição de uma matéria. Devido à repercussão negativa, ele se desculpou (confira no vídeo).

Essa questão exige certa cautela. A linha entre uma boa comunicação com o receptor e um2f exagero desnecessário é tênue. De acordo com o jornalista e blogueiro, Leandro Martins, o segredo é o bom senso. O jornalista ou o veículo que deseja investir neste tipo de linguagem precisa ser cuidadoso para que a informalidade não resulte numa quebra de credibilidade.

Esse tipo de comunicação menos tradicional também pode ser visto nas redes sociais. Alguns veículos de referência estão deixando de lado a formalidade em suas postagens no
Facebook. O uso de hashtags irreverentes, memes e emoticons têm sido frequentes nos perfis de alguns destes sites.

Com essa tendência, os veículos usam as redes sociais, não só como uma ferramenta para divulgação de uma notícia, mas também para aumentar a proximidade com o internauta. Em alguns posts (como podem ser vistos nas imagens), as páginas assemelham-se, em sua forma de fazer publicações, com seus próprios seguidores.

1f

Mais ou menos tradicional, fato é que a forma de se comunicar está em constante transformação, adequar-se a elas é o caminho para o êxito. O jornalista e blogueiro André Santana sintetiza o assunto ao dizer que as tentativas de mudança são válidas, desde que o principal objetivo do jornalismo não seja atrapalhado: a informação.

Pauta e Texto: Ive Ribeiro
Revisão: Bruna Lima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s