A verdadeira função do novo jornalista

O maior desafio dos tempos modernos é conhecer um jornalista que se apresenta como especialista em uma determinada área, outrora foi comum. Repórter, editor, pauteiro etc. Com a revolução digital – invenção da internet e avanços da tecnologia em geral – os profissionais de comunicação tem que se adaptar e adquirir proficiências em diversos setores para não perder espaço no mercado.

Jornalista multifuncional foi o nome escolhido para definir o profissional que melhor se adaptou as demandas das redações. O cinegrafista, motorista, operador de áudio e assistente de câmera Leonardo Teixeira, diz que só foi contratado por conseguir realizar diversas funções. “A questão é que as redações estão cada vez mais enxutas, a crise está chegando em todos os lugares e, consequentemente, a gente tem que se desdobrar para fazer várias tarefas” completa o profissional.

Leonardo Teixeira posa ao lado do carro de reportagem, segurando uma das suas ferramentas de trabalho: a câmera
Leonardo Teixeira posa ao lado do carro de reportagem, segurando uma das suas ferramentas de trabalho: a câmera

O cinegrafista revelou ainda que, além de diminuir a segurança do local, a falta de um assistente na hora de gravações externas prejudica a montagem dos aparelhos e, consequentemente, a matéria. “Se eu tivesse um auxiliar ao meu lado, meu trabalho também seria realizado de forma mais rápida. Enquanto eu mexia na câmera, ele poderia ir microfonando os entrevistados, testando áudio, ver a frequência do som, já teria testado todos os equipamentos, luz, enfim, seria bem melhor”, desabafa Leonardo, que já perdeu ocorrências por estar procurando vaga para estacionar.

O jornalista Marcelo Silva, revela que pessoas que tem facilidade de fazer diversas funções são melhores recebias em uma redação, do que um profissional especialista em uma só área. “É difícil ser muito bom em tudo, a gente sempre é mais habilidoso fazendo alguma coisa. Mas se um dia precisarem que façamos algo diferente, é importante saber fazer e sair da zona de conforto”, completa o Coordenador de Apuração da rádio BandNews FM.

Ainda de acordo com o jornalista, é de suma importância que um estagiário tenha experiência em diversas áreas para melhorar suas técnicas na profissão e descobrir em qual atividade ele se sai melhor. “Um estagiário de apuração, por exemplo, ele precisa saber apurar as notícias que chegam escrever notas, falar com os ouvintes, entrar ao vivo, gravar sonoras dos entrevistados, editar… São muitas coisas envolvidas na apuração. Não posso exigir perfeição em tudo, mas ele precisa ser ágil e dar o melhor dele”, completa o comunicólogo.

“Quem não se atualiza, fica para trás. É preciso se dedicar e quanto mais coisa souber, melhor. A concorrência está grande e a crise afetando drasticamente as contratações. Cada vez mais teremos redações mais enxutas, com menos funcionários. Essa é a tendência”, finaliza Marcelo.

EXPEDIÊNTE


Texto: Iago Moreira

Foto e Produção: Mariana Guedes

Edição: Bárbara Castro

Pauta: Renata Moraes e João Cerqueira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s